Tá No Sangue S.F.C.

Habitual pânico e covardia de Dorival jogando fora de casa, faz Santos perder mais uma

A paciência acabou! Fora técnico covarde com métodos de escalação "amigocráticas" e influenciadas por empresários
www.tanosanguesfc.com.br   Por: Márcio Veratti   01/06/2016   Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

Os sérios problemas psicológicos que assolam o técnico Dorival Jr. continuam tomando conta de sua cabeça, provocando um terrível pânico quando arma seua equipe para jogar fora dos domínios da Vila Belmiro. Todo torcedor Santista gostaria de saber o porque de se mudar o jeito de jogar como visitante. Será medo da torcida rival? Não tem explicação, é covardia mesmo.

Sem seus três principais jogadores que estão servindo a seleção como Lucas Lima e Gabriel, e Ricardo Oliveira contundido, o Santos se igualou ao péssimo nível técnico do SCCP. A diferença está no comando, pois o comandante do SCCP, pilha seus jogadores a ponto deles correr, dividir e se jogar, como se aquele fosse o último jogo de suas carreiras. E na base do abafa em uma velha jogada conhecida do time de Itaquera, que é jogar a bola na área para ver o que acontece, aconteceu também o que sempre acontece com a zaga do Santos em bolas pelo alto, eles falharam.

Mas a falha só acontece, porque a repetição imposta pelo rival e a aceitação pacífica do Santos, faz com que uma hora o rival acerte e o Santos falhe! Já o esquema adotado por Dorival de ficar atrás se comportando igual a um time pequeno, não proporciona ao rival o direito de falhar, pois não há ação alguma de sua equipe, pois as ordens são de não atacar.

A paciência acabou! Fora técnico covarde com métodos de escalação "amigocráticas" e influenciadas por empresários e com sérios problemas de baixa autoestima que contagia todos os jogadores.

Movimento de Sócios do Santos F.C. Tá No Sangue, não reconhece mais o senhor Dorival Jr. como técnico do Santos Futebol Clube, e faremos o possível e o impossível para que este profissional saia do nosso clube, antes que seja tarde. E vá se tratar, pois síndrome do pânico tem cura.