Tá No Sangue S.F.C.

Modesto é uma mãe para Dorival, e Dorival uma madrasta para a torcida do Peixe 

www.tanosanguesfc.com.br   Por: Márcio Veratti  14/04/2017


(Foto: Divulgação)

O Santos estreou hoje (14) as 11h00 no Maracanã contra a equipe do Fluminense, e aconteceu o esperado, a lógica, fomos derrotados fora de casa pelo fraco Fluminense por 3x2, da mesma maneira que fomos derrotados em todos os grandes jogos esse ano. Dorival continua queimando o bom Yuri, escalando o garoto fora de sua posição por pura birra ao argentino Noguera, queimando o jovem e bom Vítor Bueno que está em má fase na volta de sua contusão e insiste nas titularidades de Renato e Ricardo Oliveira que claramente estão mal fisicamente, e pelas suas idades avançadas, seriam suplentes em qualquer equipe com um técnico que tivesse autoridade.

Sabemos que boa parte do elenco Santista é formado por um grupo de jogadores que cobram mais do que fazem. Porém, essa postura de muitos jogadores, se dá pela falta de comando do técnico Dorival Júnior, que pode até ser um técnico de médio porte na parte técnica, mas no comportamental, na gestão de grupo, é facilmente manipulado por jogadores já em fim de carreira que não desenvolvem mais um futebol competitivo, mas que se mantem pelos seus nomes e se aproveitam da acomodação da comissão técnica que se omite por um trauma já vivenciado em 2010.

Dorival Júnior talvez seja o técnico a mais tempo em um clube na elite do futebol brasileiro, porém, em mais de dois anos, vive de jogadas individuais e não consegue implantar um sistema de jogo agressivo em uma equipe que se reforçou bem em relação a 2016 e que teria tudo para deslanchar esse ano. Mas o que vemos, é o Santos patinando em todos os jogos considerados grandes que fez em 2017, e definimos isso em uma palavra, MEDO!!! Pois o próprio Dorival em entrevista recente confessou que faz o time trocar muitos passes na defesa, pois tem MEDO de levar contra-ataques.

Está na hora do presidente do Santos Modesto Roma Júnior interferir no futebol, fazer jogadores e principalmente comissão técnica mudarem suas posturas, ou tomar a decisão que seria mais correta, e buscar outra comissão técnica com mais eficiência, e que no mínimo tenha autoridade sobre jogadores sejam eles já consagrados no futebol ou os mais jovens mimados do elenco Santista.