Tá No Sangue S.F.C.

Com problemas psicológicos e síndrome de covardia de técnico e jogadores, Santos não vence fora de casa

www.tanosanguesfc.com.br   Por Márcio Veratti   25/05/2016

A tempos que a equipe do Santos sofre com sérios problemas psicológicos e uma síndrome da covardia que assombra a equipe quando joga como visitante. Jogando nos seus domínios na Vila Belmiro, o técnico monta um esquema ofensivo e os jogadores se enchem de inspiração e jogam sempre para frente.

Mas pelo menos nesta noite de quarta-feira (25) em Florianópolis, o Santos tomou conta do jogo no primeiro tempo, se impondo no campo do dono da casa o Figueirense. Apesar do Peixe dominar inteiramente a partida no primeiro tempo, desperdiçou uma chance incrível com Rafael Longuine e teve um pênalti não marcado em cima de Vitor Bueno, e na única chance do Figueirense, Rafael Moura aproveitou as falhas de cobertura de Vitor Ferraz e a tentativa de David Braz de fazer a linha burra, tática essa usada com frequência pelo zagueiro líder da camisa 14. Não a linha.

Mesmo depois do gol sofrido, o Santos não mudou o jeito de jogar, e voltou a dominar a partida, sendo premiado com outro pênalti, mas desta vez marcado pelo juiz. Vitor Bueno que vinha muito bem e com muita personalidade na partida, pegou a bola e empatou o jogo para o Peixe.

Logo na primeira parte do segundo tempo, em uma bela enfiada de bola, Joel sabiamente toma a frente do jogador do Figueirense e sofre outro pênalti batido por ele mesmo e virando a partida.

Com o resultado positivo, Dorival Jr. mais uma vez covardemente recuou o time mudando o esquema para jogar em contra-ataques como jogam os times pequenos, e o time de Florianópolis se aproveitou e começou a pressionar o Santos e passou a mandar no jogo. Para piorar o quadro do já pressionado Santos, Gustavo Henrique que não passa por boa fase, comete uma falta espalhafatosa que mais pareceu um golpe no jogador adversário e foi justamente expulso.

Se o time do Peixe já vinha sendo pressionado por uma equipe técnicamente muito inferior, com um jogador a menos, abdicou totalmente de jogar futebol e dedicou 100% do tempo faltante de partida, para praticar o anti futebol e sofreu o gol de empate aos 48 minutos da segunda etapa.

Movimento de Sócios do Santos F.C. Tá No Sangue, sugeri a diretoria do Alvinegro Praiano, que contrate uma equipe de psicólogos para iniciar um tratamento com toda comissão técnica e atletas do time de Urbano Caldeira. Essa equipe ajudará a todos os "pacientes", a entenderem que a grama de outros campos é verde, as dimensões do campo sempre é quase igual, as medidas verticais e horizontais das traves são exatamente as mesmas da Vila Belmiro e que torcida rival não entra em campo.

A torcida do Santos está acostumada a torcer para equipes abusadas e corajosas. Mas ultimamente vemos garotinhos assustados vestindo a sagrada camisa do Santos Futebol Clube com medo quando joga como visitante. E o pior de tudo, com um comandante comandado.