Tá No Sangue S.F.C.

Má vontade da PM e Prefeitura da Capital com o Santos, ameaça o clássico Sansão no Pacaembu

www.tanosanguesfc.com.br   Por: Márcio Veratti   16/06/2016


Pacaembu irá abrigar a tradicional final no dia do aniversário de São Paulo (Divulgação)Foto divulgação

A Tá No Sangue S.F.C., publicou com exclusividade no dia 10/06, o interesse e o pedido da direção Santista em mandar o clássico contra o São Paulo no estádio do Pacaembu. Reveja a matéria: ( http://tanosanguesfc.com.br/classico-no-pacaembu-santos-x-s%C3%A3o-paulo-0.php ). Porém, a PM (Polícia Militar), trata o Santos F.C. como um forasteiro que lhe dará muito trabalho, sem contar os interesses políticos que envolve diretamente a própria PM, que é influenciada pelo futebol.

E falando em política, a decisão do governo do estado/PM e Prefeitura Municipal de São Paulo em boicotar o Santos e sua grande torcida na metrópole, extrapola o absurdo de interesses escusos, chegando até ao antigo bairrismo.

Vejam as dificuldades que a PM e a Prefeitura da capital impõe ao Santos F.C.:

A PM (Polícia Militar), trata o Santos como carne de segunda, impondo dificuldades burocráticas e com lentidão para responder pedidos e ofícios protocolados pelo clube do litoral.

Há reclamações constantes de torcedores e sócios do Santos, do mal serviço prestado pela PM e a truculência descabida e desproporcional dos funcionários do governo do estado.

A Prefeitura de São Paulo também faz seu papel, criando obstáculos, como cobrar a parte o aluguel dos banheiros químicos, alegando que não faz parte do estádio. Cobram também a parte (além da porcentagem da renda), um valor de funcionários, que a administração do Pacaembu impõe para trabalhar nos dias de jogos, impossibilitando do Santos trazer seus próprios funcionários.

Cobram a parte a cessão das lanchonetes do estádio, alegando que o espaço é fruto de concorrência, e isso provoca mal atendimento e muitas vezes lanchonetes fechadas.

Em todos os jogos do Santos no Pacaembu, a bilheteria do estádio dispõe apenas de um guichê para a venda de ingressos, inclusive no dia do jogo, provocando filas enormes, onde claramente se vê muitos torcedores entrando na praça esportiva com o jogo em andamento.

Funcionários do Santos F.C. de comunicação, apoio externo ao sócio e outros, também são frequentemente mal tratados por funcionários públicos impostos que nesses dias de jogos são obrigados a trabalhar.

Celso Jatene, único representante na política paulistana que sempre defendia algo melhor para o Santos na capital, ultimamente anda sumido, talvez cansado de tanto "dar murro em ponta de faca".

Uma outra alternativa que a diretoria do Santos tenta para buscar mais renda e prestigiar o torcedor da Grande São Paulo, é mandar esse clássico na Arena Barueri. Porém, o gramado se encontra em péssimo estado, podendo não haver tempo suficiente para a manutenção do campo de jogo.

O Movimento de Sócios do Santos F.C. Tá No Sangue, espera que a diretoria do Peixe não desista de mandar mais jogos na Grande São Paulo por conta de todos esses empecilhos. Pois a história do Santos sempre foi de superação, contra tudo e contra todos.