Tá No Sangue S.F.C.

A covardia, "é um prato que nem frio se come", pois covardes nem tentam

www.tanosanguesfc.com.br   Por: Márcio Veratti   19/06/2016

Dizem que a vingança é um prato que se come frio. É verdade! Mas pelo menos o sentimento de vingança é uma atitude! Já a covardia, é um prato que nem frio se come, pois os cavardes não tomam a iniciativa de correr atrás desse prato, mesmo que não esteja mais quente.

Ontem (19) na derrota do Santos frente ao Atletico-PR, vimos alguns poucos jogadores bem, como Vanderlei, o bom Yuri, Thiago Maia que corre por ele e pelo Renato em campo e Vitor Bueno e Gabriel que tentavam alguma coisa no ataque, porém esses dois não eram municiados pelo apático e inerte meio campo e tinham que armar e atacar.

Nem vamos questionar a insistência de Dorival Jr. em fazer sempre as mesmas substituições, como por exemplo o fraco Paulinho. Preferimos pensar que isso seja uma deficiência técnica do treinador, para não ter que pensarmos que são outras coisas que influenciam nas suas escalações e substituições.

Muitos vão dizer que Santos ontem controlou o jogo com posse de bola, mas foi uma posse de bola enganosa, apenas com passes laterais e para trás. O quarteto Renato, Citadini, Zeca e Vitor Ferraz, que tem a obrigação de levar a equipe ao ataque, se privaram 100% do tepo de jogo em bolas de segurança, sem ao menos tentar.

Observando jogos de rivais que estão a nossa frente na tabela de classificação, vemos que alguns muito inferior ao Santos tecnicamente, vem tendo resultados positivos fora de casa, pela raça e pela insistêcia ao levantar bolas na área do adversário, forçando o erro e fazendo que uma hora a bola entre. Não é um jogo muito técnico e bonito de se ver como nós Santistas gostamos, mas pelo menos é uma atitude que se tomar em ocasiões onde a técnica não prevalece, teremos êxito em alguns jogos.

A filosofia de disputa de um campeonato de pontos corridos ainda não entrou na cabeça de Dorival Jr., que claramente prefere empatar três jogos fora de casa, do que tentar arriscar em ganhar um, mesmo que isso faça que perdemos duas partidas, pois os três pontos de uma vitória, valem mais que três pontos em três empates. A vitória é o primeiro critério de desempate.

Mas o que realmente irrita a torcida do Santos, é essa covardia habitual em jogos fora de casa. Não da para entender, qual é a dificuldade de se jogar como visitante, da mesma maneira que joga quando está na Vila Belmiro ou no Pacaembu. Isso só mostra que o time não tem padrão de jogo definido. E por falta de um padrão, tem dois. Um padrão muito bem definido ofensivamente pressionando a saida de bola do adversário no campo de ataque, com toques rápidos e sempre para frente dentro de casa. Já fora de casa, o padrão é vamos jogar para empatar!

Não fazemos críticas ao Dorival e ao time apenas quando perde, pois nas últimas três vitórias seguidas, tirando o jogo contra o Vitória que pressionou o tempo todo, nos jogos contra Botafogo e Santa Cruz, o time foi muito mal e apático, vencendo em cima da deficiência técnica desses adversários que lutarão o campeonato todo contra o rebaixamento.

O esporte não tem espaço para os covardes. Dorival Jr. não tem vibração no que faz. Comparamos Dorival Jr. ao Rubinho Barrichello, que financeiramente teve muito sucesso, mas desportivamente foi um acomodado e fadado ao fracasso, sendo motivo de piada nacional.

Perder faz parte do esporte. Mas perca tentando!