Tá No Sangue S.F.C.

Abatido, Braz minimiza pressão, pede paciência e não rebate crítica

Fonte:  www.gazetaesportiva.com   Por: Tiago Salazar - Santos, SP   31/05/2016


David Braz refletiu nesta terça o clima de incerteza que paira no Santos neste início de Campeonato Brasileiro (Foto: Ivan Storti)

David Braz refletiu nesta terça o clima de incerteza que paira no Santos neste início de Campeonato Brasileiro (Foto: Ivan Storti)

A entrevista coletiva de David Braz na tarde desta terça-feira não lembrou em nada o zagueiro enérgico, empolgado, de respostas firmes e sinceras, e quase sempre bem humorado, que todos estão acostumados a acompanhar no dia a dia do CT Rei Pelé. Abatido, ou mesmo triste pelo momento do clube, imagina-se, o jogador, sempre muito educado, respondeu a todas as perguntas sem sorrir ou até mesmo mostrar a velha gana na véspera de um clássico contra o Corinthians.

“Cada jogo é uma oportunidade para somar pontos. Não queríamos estar nessa situação em quatro rodadas, mas, infelizmente, não conseguimos e agora é pensar daqui pra frente”, disse Braz, em uma de suas respostas sobre o confronto das 21 horas desta quarta-feira, em Itaquera.

Nem mesmo quando questionado sobre as críticas que caem sobre a defesa do time, com foco nele e em Gustavo Henrique, Braz resolveu se estender. O jogador de 28 anos preferiu não rebater e adotou um discurso mais humilde.

“Respeitamos a opinião do torcedor. É continuar trabalhando para ajudar o Santos. Vou procurar fazer isso para que as opiniões mudem”, comentou, para em seguida, sim, mandar seu recado aos santistas. O pedido foi de paciência.

“A equipe está modificada. Jogadores que entram precisam de apoio para a sequência. Foi assim com o Ricardo Oliveira, Lucas Lima, que nem era relacionado no começo. Hoje eles são referências no grupo”, exemplificou.

Consciente, porém, que algo precisa ser feito depois dessas quatro primeiras rodadas de Campeonato Brasileiro, David Braz ignora qualquer mudança tática daqui para frente ou até mesmo dentro da escalação. “Independente da formação, todos têm que marcar forte. 4-4-2, 4-3-3, 4-1-4-1, todos têm parcela na marcação”, reiterou.

Apesar do Peixe ter apenas quatro pontos e ocupar a 12ª colocação, David Braz, um dos principais líderes do grupo, ainda não enxerga uma pressão exacerbada pelo resultado e acredita que o time tem tempo para se encontrar na competição. Por enquanto, foram duas derrotas, para Atlético-MG e Internacional, uma vitória suada em cima do Coritiba e um empate com o Figueirense. Placares que ainda não foram bem digeridos no clube.

“Pressão sempre vai ter. Santos é grande. Não foi por isso que perdemos jogo no domingo. O Inter marcou bem a gente, e exploraram o contra-ataque. Não neutralizamos isso e eles fizeram gol em bola parada. Contra o Figueira, merecíamos a vitória e sofremos o empate. A gente tem que estar pronto para qualquer situação. Temos mais 34 jogos para colocar o Santos na briga lá em cima”, encerrou o zagueiro, tentando mostrar confiança, mas com um semblante pouco convincente.