Tá No Sangue S.F.C.

Dorival, comece a fazer contas pela Libertadores

Fonte:  espnfc.espn.uol.com.br   Por:  Fagner Morais, do Vai, Santos!   16/05/2016
Ivan Storti/ Santos FC

Ivan Storti/ Santos FC

Dorival Júnior terá trabalho para colocar o Santos no G4

Não sei vocês, mas fiquei muito irritado ao final de Atlético-MG 1 x 0 Santos, no último sábado, no Independência, pela abertura do Campeonato Brasileiro. Um time sem vontade perdeu para os reservas do Galo, que dominaram boa parte da partida e poderiam ter vencido por mais gols. Em resumo: começou a patifaria de não ganhar fora de casa.

Com todo respeito aos reservas do Atlético-MG, era jogo para o Santos fazer, ao menos, um ponto. Um ponto importante, porque poucos times terão chance de enfrentar os mineiros sem sua equipe completa. Não era partida para ficar zerado, não era partida para começar mal a competição, não era para ser assim.

Um deslumbrado Vitor Bueno simplesmente parou de jogar o que apresentou para virar titular. Ele anda merecendo um chá de banco, enquanto Paulinho não tem bola, habilidade e disposição para ser titular. Ele é fraco, para falar o mínimo, e parece achar que é o Messi ou alguém do tipo. Outro que não merece as chances que vem tendo

Nesse ritmo, parece que teremos uma campanha semelhante à do ano passado: um aproveitamento absurdo em casa, mas fora... Na competição disputada em 2015, o clube foi o segundo melhor mandante (atrás apenas do Corinthians) e segundo pior visitante (à frente apenas do rebaixado e último colocado Joinville). Com 58 pontos, faltaram cinco para ir à Libertadores deste ano.

Com todos esses números, fica meu pedido aos jogadores: repitam a campanha em casa do ano passado, se possível a melhorem, e aumentem de uma para três vitórias fora de casa. A média de pontos para conquistar a quarta colocação no Campeonato Brasileiro de pontos corridos com 20 clubes, formato iniciado em 2006, é de 63,4 pontos. Com mais seis pontos somados à campanha de 2015, o Santos somaria 64, suficiente para ser quarto colocado em sete dos dez últimos torneios – em três deles daria para ser terceiro.

Não tenho coragem de cobrar título, porque não há elenco suficiente para vislumbrar esse objetivo, mas esse time tem potencial para brigar por uma das três vagas restantes (a outra é a do título) para Libertadores de 2017. É só o que eu peço.