Tá No Sangue S.F.C.

SÓCIO DO SANTOS MANDA CARTA ABERTA PARA MODESTO ROMA JR.

CARTA ABERTA AO PRESIDENTE MODESTO ROMA JÚNIOR E MEMBROS DO COMITÊ DE GESTÃO DO SANTOS FUTEBOL CLUBE.
www.tanosanguesfc.com.br   Por: Márcio Veratti   Texto de: Ernesto Franze   05/04/2016

Modesto não vê problema em cobiçar atletas rivais, mas reforça acerto primeiro com diretoria (Foto:Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

Foto:Sergio Barzaghi/Gazeta 

Aproveito a oportunidade que os senhores estão produzindo um planejamento estratégico para o clube, para fazer algumas sugestões. 

A base, o alicerce de qualquer planejamento de uma empresa, e imagino que tratem o clube com tal, é descobrir seus pontos fortes e fracos. Os pontos fortes para explorá-los e os fracos para torná-los mais fortes. 

Como santista atento, estudioso das coisas do alvinegro, especialmente pesquisas, tenho condições de afirmar que o ponto mais forte do clube, hoje, é que possui entre 2,6 a 3,0 milhões de torcedores entre a grande São Paulo e Interior Próximo. 

O Índice de Potencial de Consumo (IPC) da grande São Paulo é igual 12.024% com 19,6 milhões de habitantes. População corresponde à cobertura da TV Globo São Paulo.  

O IPC do interior próximo é de 7.384% (Regiões de Sorocaba, Itapetininga, São José dos Campos, Taubaté, Campinas, Mogi das Cruzes), com 12,4 milhões de habitantes. 

As duas regiões juntas respondem por 19.408% do PIB de consumo brasileiro, com uma população aproximada de 32 milhões de habitantes, trata-se da REGIÃO MAIS RICA DO BRASIL e o centro econômico e financeiro do hemisfério sul. 

Enquanto o IPC da baixada santista é de 1.277%. 2,1 milhões de habitantes correspondem à área de cobertura da TV Tribuna, e não bate com a população da região metropolitana, e estimam-se na região 600 mil torcedores alvinegros.  

Para se ter uma idéia da grandeza dos números paulistas, a região metropolitana do Rio de Janeiro responde por 7.333% do potencial de consumo brasileiro, com 12,0 milhões de habitantes.  A região metropolitana de Belo Horizonte 4.005% com 7,3 milhões de habitantes.  A região metropolitana de Porto Alegre 3.171% com 4,9 milhões de habitantes. 

Fonte:
http://comercial2.redeglobo.com.br/atlasdecobertura/Paginas/Home.aspx

Não explorar, desprezar esse potencial de mercado não faz sentido, é o chamado nonsense. 

Esse enorme público santista não tem oportunidade de criar hábito de frequentar estádio, por conseqüência não consume produtos licenciados, PPV, não se torna sócio, ou seja, não é visto, não é tratado como cliente/consumidor do clube. 

Temos dois estádios em São Paulo, um deles o melhor o ideal, o Pacaembu, outro a Arena de Barueri como segunda opção. 

Não há motivo político, provinciano, que seja mais importante que a sobrevivência de um clube que possui uma marca gigantesca de renome mundial, mas que está com um faturamento nanico, e que se apequena a cada dia. 

Esse público médio de 8 mil pessoas na Vila no campeonato brasileiro, entra ano,e sai ano, jogando clássicos regionais contra Inter, Grêmio, Cruzeiro, Atlético, Flamengo, Botafogo, Fluminense transformou o Peixe num time sem prestigio com a TV,com a  imprensa de maneira geral, e com potenciais patrocínios. 

Passou da hora de estabelecer o rodízio 50% por 50%, entre Santos e São Paulo, com os jogos com potencial de público na capital, devidamente promovidos, e previstos em calendário de forma que o torcedor possa se programar para ir ao estádio com a devida antecedência. 

Boa sorte, e que Deus os ilumine e salve o Santos!